Tag Archives: Fantasy

Conan entra em uma missão secundária

Conan the Slayer #12 está à venda, desta vez com uma ameaça diferente. Após o demônio de pele de ferro das edições anteriores, o bárbaro encontra uma tribo de canibais e, possivelmente, um morto-vivo. São 32 páginas por US$ 3,99, com roteiro de Cullen Bunn, arte de Dheeraj Verma e cores de Michael Atiyeh.

Prévia mais fraquinha da série até agora
© Dark Horse Comics

O cimério foi criado originalmente nos contos de Robert E. Howard, no início do século passado. Reencontrou sua popularidade como uma história em quadrinhos na Marvel Comics, passando daí a filmes, séries e desenhos animados. Atualmente sobrevive apenas na Dark Horse Comics, mas a maioria de suas histórias literárias está em domínio público.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

No Brasil, ao menos, que nos EUA as leis de direitos autorais são uma insanidade, com variadas cláusulas de renovação. Aqui é 70 anos após morte e acabou-se.

Essa inclusão de canibais e pelo menos um ghoul me pareceu meio estranha, então resolvi dar uma fuçada no conto original. Fiz um ctrl+f e não encontrei nenhuma das palavras chave óbvias, o que indica que estão dando uma esticada na adaptação. Porque, convenhamos, ficou muito deslocada a presença dessa tribo de goblins em uma ilha supostamente deserta e amaldiçoada. Mas não vou confirmar ou negar qualquer possibilidade antes de uma leitura completa.

O artista, apesar do nome magnífico, desenhou o bárbaro de um modo peculiar, reduzindo e redistribuindo sua massa muscular. Imagino quanta liberdade dão para o desenhista nessa editora, ou se insistem para que fujam do padrão propositalmente, em uma tentativa de criar algo mais “artístico”. Meh.

Fonte: Dark Horse Comics

Advertisements
Tagged

Secret of Mana volta custando uma pequena fortuna

A Square Enix colocou em pré-venda seu remake de Secret of Mana, clássico RPG eletrônico dos anos 90, lançado originalmente para o Super Nintendo. A nova versão atualizou o visual, dublou os personagens e regravou a trilha sonora, além de ter modificado aspectos da jogabilidade, ainda não detalhados.

O trailer é ruim demais, mas a arte ficou ótima
© Square Enix

O jogo será lançado em 18 de fevereiro do ano que vem, para PlayStation 4, PS Vita e PC. Na plataforma de jogos digitais Steam já pode ser reservado por R$ 119,99.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Obviamente estou sendo ufanista, mas Secret of Mana provavelmente é o melhor RPG de videogame dos anos 90, disputando o pódio a tapas com Chrono Trigger. Em terceiro lugar Final Fantasy VI, sem qualquer concorrência. Depois é só povoar o resto da lista com Breath of Fire, outros Final Fantasy e talvez até Phantasy Star IV.

40 dólares por um remake é mais uma daquelas insanidades da Square Enix, repetida em todos os Final Fantasy antigos que relançaram. Se esse novo SoM tiver um modo multiplayer online (o antigo era um dos únicos jogos de SNES que aproveitava o adaptador para mais de dois controles), valeria sem dúvida 20 dólares, nem reclamaria em comprar e obrigar meu filho a comprar uma cópia também.

Mas 120 reais em um jogo eletrônico linear é simplesmente inconcebível para o meu pão-durismo ferrenho. Acho que nesta década gastei tudo isso somente em Diablo 3, e apenas porque pode ser jogado repetidas vezes, com modalidade diferentes de jogo online e dificuldade crescente opcional.

Depois de um (longo) tempo vão reduzir alguns dólares, mas acho que ainda não vi o montante cair abaixo da dezena, no caso dos Final Fantasy. E olha que adoraria testar o remake do VI. Quem sabe lá por 2030.

Fonte: Videogamer

Site oficial: https://www.secretofmanagame.com/en-us/

Tagged

Poderes psiônicos no espaço sideral

A editora Dreamscarred Press, criadora do suplemento Ultimate Psionics para o RPG de mesa Pathfinder, anunciou seus planos para Starfinder. Com o título provisório The Psionics Guide, o primeiro manual irá incluir raças, classes, feats e archetypes com temas psiônicos para o novo jogo. De acordo com o press release, vão avaliar cada aspecto deste sistema de poderes para decidir o que pode ser aproveitado e o que irão modificar.

36757183622_b24803618b_o
© Dreamscarred Press

O livro seguinte trará novas criaturas psiônicas com o tema espacial de Starfinder, e, depois disso, possivelmente mais opções para jogadores, aventuras e até veículos. Preferem não estabelecer uma data de lançamento, mas avisam que irão fazer testes abertos com o material antes da publicação oficial.

Starfinder é o novo RPG de mesa da Paizo, que leva o cenário de seu famoso jogo Pathfinder para o espaço e o futuro, combinando ficção científica e fantasia e atualizando vários conceitos e regras clássicas.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

A Dreamscarred Press é a minha editora predileta dentre todas as criadoras de material compatível com Pathfinder, tendo comprado produtos de suas principais linhas: Psionics, Akashic, Path of War.

Mas esse anúncio me deixou desapontado. O silêncio da editora quanto a Starfinder chamou a atenção dos consumidores de “3rd party material”, e um pouco de especulações quanto ao que estariam fazendo. Eu acreditava que iriam lançar um manual de psionics ainda em agosto, ou na pior das hipóteses, o open playtest que normalmente fazem.

Mas pela nota que publicaram, ainda vão começar a trabalhar no suplemento. Nem o nome definiram ainda!

Pelo que vi até agora, Starfinder é um bom sistema – melhoraram o combate, habilidades, o crafting, deram uma recauchutada em tudo. Apenas as classes não são particularmente interessantes. O jedi do sistema, chamado solarian, me interessou pelo tema e poderes esquisitos, mas os relatos de seu desempenho em combate não são muito animadores. Então obviamente fiquei entusiasmado para ver os jedi psiônicos do Pathfinder, chamados soul knife, em sua versão Starfinder. Mas mal começaram a pensar nisso ainda.

Ou estão muito ocupados com algum outro projeto (estavam trabalhando em um novo sistema de jogo, se me lembro bem), ou não acreditaram muito no sucesso de Starfinder e esperaram para ver. Se ele estiver vendendo tão bem quanto a Paizo dá a entender, desperdiçaram uma grande oportunidade. Poderes psiônicos combinam muito mais com ficção científica do que com fantasia. A aceitação possivelmente seria maior e mais fácil.

Bom, é a vida.

Fonte: Dreamscarred Press

Tagged ,

Mais um jogo de franquia inspirada no Studio Ghibli

Ni no Kuni II: Revenant Kingdom ganhou um novo trailer, com cenas de combate e animações. O quinto jogo da franquia é protagonizado pelo jovem rei Evan, em uma missão para recuperar seu trono roubado, e deve ser lançado em janeiro do ano que vem. Até o momento o título foi anunciado para Windows e PlayStation 4.


© Bandai Namco Entertainment

Enquanto o original Ni no Kuni: Dominion of the Dark Djinn foi desenvolvido em parceria com o Studio Ghibli, este novo conta apenas com artistas da empresa de animação, especificamente na área de design de personagem e trilha sonora.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Só assisti a esse trailer acima, então é uma comparação meio torpe, mas a divulgação do primeiro Ni no Kuni causou um impacto bem maior. Provavelmente porque exploraram exaustivamente a parceria com o Studio Ghibli, enquanto agora a relação entre ambas empresas é tênue. Apesar de óbvia em pelo menos uma das cenas, quando a menina está carregando a espada em uma almofada.

Ficou a impressão de mais um RPG japonês genérico, usando uma dublagem constrangedora. É triste, mas começaram a divulgação com o pé errado.

Fonte: Videogamer

Tagged

Pathfinder foi para o espaço

Está disponível a partir de hoje (17) o Starfinder Core Rulebook, livro principal de regras do novo RPG de mesa Starfinder. Lançado pela Paizo, mesma responsável por Pathfinder, o sistema combina fantasia e ficção científica, além de modificar velhas regras de seu RPG mais popular e introduzir elementos completamente novos.

36468182592_9eebe8f15b_z
© Paizo

Também foi lançado Incident at Absalom Station, primeira parte da campanha Dead Suns, que inaugura a linha de aventuras do sistema, e alguns cenários da Starfinder Society, pequenos módulos que podem ser concluídos em uma única sessão de jogo.

Os manuais da Paizo sempre custam US$ 9,99, enquanto os livros de aventura custam US$ 15,99, tudo na versão digital.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Comprei o SCRB hoje de manhã, mas para minha tristeza os 150 megas do treco não terminaram de baixar antes de sair para trabalhar. Malditas milhares de outras pessoas fazendo o download ao mesmo tempo! Queria dar uma olhada no treco durante o almoço, mas agora ficou para a hora da janta mesmo.

Quase comprei o Incident também, mas a mordida de 16 dólares é meio assustadora. Vou dar uma lida no manual, esperar a fatura do cartão fechar e fazer a compra para o próximo mês. Por enquanto vou pular de cabeça nesse jogo, que as regras novas parecem ser fascinantes.

E a melhor parte é que o povo do Interface Zero pode finalmente divulgar a adaptação para Starfinder que estão implementando em seu próprio livro. O dono da editora também gostou tanto do que viu que resolveu substituir várias sistemas pelo material da Paizo. O que me facilita muito a vida, não precisar aprender dois jeitos diferentes de implantar órgãos cibernéticos ou construir equipamento futurista.

Espero que faça sucesso! E não acabe sendo outro Alternity.

Fonte: Paizo

Tagged ,

Sucesso nos cinemas japoneses chega em mangá

A editora JBC está lançando no Brasil o mangá Your Name – Kimi no na wa, de Makoto Shinkai e Ranmaru Kotone. A história em quadrinhos é uma adaptação do longa metragem animado de mesmo nome, sobre dois jovens completamente desconhecidos que trocam de corpo. A produção teve a maior bilheteria no Japão em 2016 e é uma das maiores na história do país (cerca de R$ 700 milhões).

Parece uma típica comédia romântica com um toque fantástico
© JBC

O primeiro de três volumes chega às livrarias este mês, e a periodicidade será bimestral. São 180 páginas cada um, pelo preço sugerido de R$ 15,90.

Shinkai escreveu e dirigiu o filme também, além de ter feito um livro com a trama. Algumas de suas produções mais antigas estão disponíveis no Netflix.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

A história não poderia ser mais batida, mas fez um sucesso absurdo, passando por cima de várias produções ocidentais nos cinemas nipônicos.

O céu pintado ao fundo dá a impressão que trabalharam bastante nos cenários, o que deve ser um tema importante considerando o contraste entre os protagonistas (ele na cidade e ela no campo). Provavelmente quando trocam de corpo devem mostrar eles se impressionando com as paisagens novas.

Mas só isso não seguraria tanto público. Imagino que capricharam nos diálogos e incluíram uma boa dose de comédia e talvez até comédia romântica.

Parece bem diferente do material dele no Netflix, mais dramático e deprimente. Encontrou um filão de ouro, parece.

Fonte: Editora JBC

Tagged

Classe prepara o lançamento de novo RPG

O Technomancer é a última classe do RPG de mesa Starfinder a ganhar uma prévia no site da Paizo. Depois de uma focada em magia (mystic) e outra em tecnologia (mechanic), é a vez de um personagem que combina os dois. Seus poderes incluem modificar ou criar equipamentos eletrônicos, invocar energia (principalmente fogo e eletricidade) e manipular a própria magia.

35566801243_50df53c30d_z
© Paizo

Apenas um exemplo da capacidade do personagem é apresentado, Fabricate Arms. Com uma ação total você pode descartar uma magia para criar uma arma ou armadura tecnológica, cujas capacidades dependem do nível do feitiço jogado fora. E também é possível combinar magias com esse equipamento temporário, dependendo do nível do personagem.

Starfinder será lançado em menos de duas semanas, no dia 17 de agosto.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Eu vou pular de cabeça nesse jogo. Pelo menos quanto a comprar o manual e livros mais baratos. As modificações que fizeram em algumas das regras mais malas de Pathfinder são muita atrativas, como a restrição à quantidade de ataques em uma rodada. Mal posso esperar para ver como ficou o crafting.

Enquanto isso aguardo o Interface Zero se recuperar de um lançamento complicado. Alguns subsistemas estão passando por revisões completas após reclamações de usuários, e tenho a impressão que não usaram um editor externo para a revisão final. Muitas rebarbas soltas em todo lugar – termos e pedaços de frases que não deveriam ter sobrevivido – e regras abertas demais à interpretação. Vou revisando e fazendo sugestões à medida que tenho tempo livre, mas vai longe.

Deviam ter colocado o texto do livro em um google doc e compartilhado com o pessoal do Kickstarter um mês antes do lançamento comercial. Teria feito milagres. Mas continuo fã, acreditando no potencial do produto derradeiro.

Fonte: Paizo Blog

Tagged ,

Conan lidando com um monstro invulnerável

Está disponível Conan the Slayer #11, edição mais recente da revista mensal de Conan, o Bárbaro. A publicação atualmente adapta o conto The Devil in Iron, escrito pelo criador do personagem, Robert E. Howard, sobre uma monstruosidade com pele de ferro habitando uma cidade mística.

Capa esquisita – pode ser a cor verde usada com exagero
© Dark Horse Comics

São 32 páginas pelo preço de US$ 3,99, escritas por Cullen Bunn, com arte de Sergio Davila e cores de Michael Atiyeh. Clicando na capa acima você pode conferir uma prévia gratuita no site da editora.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Alguém passou em seu teste de Perception! Provavelmente com um bônus de +5 devido a sonhos proféticos!

É impossível não admirar a praticidade de Conan em uma típica situação de fantasia heroica: o chefe do mapa está solto, vagando por aí, você encontra a única arma capaz de atravessar sua resistência a dano absurda, e o que faz? Dá no pé levando a mocinha a tiracolo!

Obviamente alguma outra situação vai surgir exigindo que ele retorne para o confronto, ou o monstro vai cortar sua rota de fuga; mas poucos heróis fortes e corajosos conseguem ser tão pragmáticos quanto Conan, quando confrontado com algo sobrenatural.

Parece que a Mythos está com algumas novas coletâneas de material da Dark Horse à venda. No momento estou ocupado adquirindo alguns soberbos mangas de ficção científica, então não será possível aumentar minha coleção de Conan. Mas ficarei de olho em ofertas futuras, ao menos.

Fonte: Dark Horse Comics

Tagged ,

Hollywood une humanos e orcs novamente

Will Smith é o astro de Bright, uma das maiores produções a serem distribuídas exclusivamente pelo Netflix. O novo trailer abaixo mostra o ator contracenando com várias raças fantásticas, nesse filme de fantasia em tempos modernos, disponível no mês de dezembro.


© Netflix

O roteiro do longa foi escrito por Max Landis, criador da série Dirk Gently’s Holistic Detective Agency, e dirigido por David Ayer, do recente Esquadrão Suicida.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Primeira ideia que me veio à cabeça foi chamar Bright de Senhor dos Anéis contemporâneo, mas a comparação é fraca. Shadowrun no passado é muito mais exato, já que todas as raças fantásticas convivem com os humanos, não só as bonitas.

Na verdade a semelhança é tão grande que só precisariam pagar pelo uso da marca, filmar mais cenas à noite, e adicionar algumas cenas de hacking por realidade virtual – pacote completo.

Esse modelo do Netflix me ilude. Obviamente o filme terá uma audiência gigantesca dentro do serviço, por se tratar de um filme “grátis” de um astro popular. Mas qual o propósito que pretendem atingir? Evitar evasão de clientes? Recrutar novos assinantes? Será que esses investimentos monstruosos em filmes e séries exclusivos influenciam tanto assim o público, ou bastaria apenas comprar mais produções externas, e mais rapidamente?

É o diferencial deles perante tantos outros concorrentes idênticos, mas funciona? Adoraria ver um estudo sério, feito a partir de números fornecidos pela própria empresa. Imagino que se fossem tão bons assim, não hesitariam em divulgar alguma informação concreta. Outros serviços de streaming já têm produções exclusivas, não é como se o Netflix estivesse guardando um modelo secreto de negócios.

Acionistas dessa empresa devem viver arrancando os cabelos.

Fonte: Canal do Netflix no Youtube

Tagged

Ducktales é repleto de personagens extrovertidos

Mais um trecho do episódio piloto de Ducktales foi divulgado pela Disney, durante seu evento de mídia este mês. O programa terá uma hora de duração e será repetido durante todo o dia 12 de agosto, no canal Disney XD. A temporada normal começa no final de setembro.


© Disney

Ducktales é um reboot completo da franquia, começando com o primeiro encontro entre o Tio Patinhas e os três sobrinhos do Pato Donald, antes de saírem pelo mundo caçando tesouros. A personalidade da maioria dos personagens foi preservada, com exceção das patas e de um dos sobrinhos. David Tennant, de Doctor Who, é o novo dublador do pato mais rico do mundo.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Que tal terminar a semana com um clipe de Ducktales? Pode parecer bizarro ver isso aqui, mas estou achando essas prévias divertidas e muitas vezes engraçadas. É quase uma pena não ter crianças na faixa etária adequada para assistir essa série – poderia acompanhar com eles e fazer comentários inúteis sobre as diferenças entre a nova e a original.

Não tinha visto ainda o quão agressivas ficaram a empregada doméstica e sua sobrinha. É uma mudança e tanto do perfil frágil que possuíam antes, e pelo jeito, criada exclusivamente para agradar a opinião pública que exige personagens femininas tão alfas quanto as masculinas. Ao invés de quatro personagens brigando pela liderança da cena, temos seis. E ninguém calmo, ponderado ou introvertido para servir de contraste aos estouradinhos patos da família McDuck.

Vão precisar inventar personagens novos com perfis mais pacatos, ou suavizar outros co-protagonistas. Talvez seja essa a função dos dois sobrinhos que ainda não se destacaram. Olhando bem para a sociedade moderna, pior que faz sentido.

Fonte: Coming Soon

Tagged