Category Archives: MangAnime

Mais um Ghost in the Shell chega em dezembro

A editora JBC colocou em seu catálogo o mangá The Ghost in the Shell 2.0 – Manmachine Interface. O volume único é uma continuação da obra de Masamune Shirow, e traz uma versão “atualizada” da protagonista major Motoko Kusanagi. A trama se passa em realidade virtual que serve como internet, e o foco é a caçada por uma nova inteligência artificial.

Parece que emagreceu ainda mais
© JBC

São 304 páginas, “muitas delas coloridas”, segundo a JBC, pelo preço sugerido de R$ 64,90. O lançamento está previsto para 15 de dezembro.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Meu interesse doentio por cyberpunk deu uma esfriada com o fiasco da conversão de Interface Zero 2.0 para o RPG de mesa Pathfinder (lançaram uma versão problemática, daí desistiram e resolveram converter tudo para Starfinder. Deve sair no ano que vem, em algum momento). Mas é impossível não ficar entusiasmado com uma publicação dessas.

Nunca li a obra em si ou sequer muito a respeito – sei que a Kusanagi fez algum tipo de fusão e vira uma personagem nova, com esse cabelo ruivo/castanho, e acho que até adota outro nome. Pela premissa parece ser ainda mais lisérgico que o The Ghost in the Shell original. A noção de internet via realidade virtual dominava os anos 80-90, mas mesmo com o pequeno ressurgimento atual no mercado de jogos eletrônicos, acho que ninguém está trabalhando em uma interface que adapta a www para esse sistema. Seria divertido ver o que conseguiriam fazer, mas não imagino como deixar isso lucrativo.

Estava pensando em comprar o Battle Angel Alita #1, mas vou deixá-lo na lista de desejos até uma promoção aparecer. Agora é separar a verba para esse tGitS 2.0, já que está meio salgado – mas pela qualidade das publicações, vale a pena o investimento.

Será que vão lançar as adaptações dos animes? Ou os livros?

Fonte: JBC

Advertisements
Tagged

Autor de Escaflowne criar franquia inédita de mecha

Jushinki Pandora é o nome do novo anime de Shoji Kawamori, criador de The Vision of Escaflowne e vários derivados de Macross. Assim como em suas obras mais populares, o tema será luta entre robôs gigantes. Lançamento previsto para o ano que vem.


© Satelight

De acordo com a sinopse, um gerador de energia experimental explode, transformando o planeta e permitindo o surgimento de monstros chamados BRAI, que quase levam a humanidade à extinção. Para enfrentá-los, são utilizados robôs que se transformam, conhecidos como MOEV.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

São siglas sim, mas em um inglês truncado que não quer dizer muita coisa.

Fico na expectativa por mais um anime de mechas vindo de uma pessoa com esse currículo, apesar do misticismo permeando a trama. Não me cai bem misturar robôs gigantes com magia, e com religião então, fica intragável. Acho que Evangelion me estragou para o tema.

O cenário é bacana, o robô não é muito chamativo (mas talvez tenha personalidade para compensar), o cientista com cabelo colorido é um protagonista incomum e sua parceira é um pouco irritante demais. Veremos se os monstros serão mais interessantes que a estrela do mar gigante vislumbrada no teaser.

Fonte: Anime News Network

Tagged ,

Gunnm ganha nova chance no Brasil

A editora JBC anunciou sua versão de Battle Angel Alita – Gunnm Hyper Future Vision, mangá clássico de ficção científica escrito e desenhado por Yukito Kishiro. O primeiro volume tem 448 páginas, preço sugerido de R$ 39,90 e classificação etária de 18 anos. Lançamento em novembro.

23773112198_0ca5bc2049_z
© JBC

A história é protagonizada por Gally/Alita, uma ciborgue sem memória, encontrada em um depósito de lixo. Um cientista recupera seus restos e implanta seu cérebro em um corpo robótico de combate. A partir daí vai enfrentando ameaças eletrônicas grotescas, enquanto explora esse mundo futurista e descobre mais sobre seu passado.

James Cameron planeja adaptar o mangá para os cinemas, assim que concluir sua franquia Avatar.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Tenho a série quase completa publicada por uma outra editora brasileira. Se não me falham as memórias, trata-se de uma edição não oficial, ou que possui algum problema legal semelhante. É um manga magnífico, e vou aproveitar para inseri-lo em minha coleção de cyberpunk. O preço é salgado, mas serão apenas quatro volumes, provavelmente com alguns meses de intervalo.

Estava fixado em cyberpunk até recentemente, me preparando para mestrar Interface Zero 2.0 em versão para Pathfinder. Infelizmente o livro saiu com vários problemas, e a editora resolver atualizá-lo para Starfinder, praticamente começando do zero. Mantém os consumidores atualizados, mas sendo realista, duvido que ele fique pronto antes do segundo semestre de 2018. Foi um baque no meu entusiasmo, mas vou manter meu interesse alimentado com outros meios de entretenimento, pelo menos.

Por falar nisso, fui assistir Blade Runner 2049 no sábado a noite. É longo pra caramba, mas não dá a impressão de ter cenas desnecessárias. A atuação do Gosling está ótima, bem como de seu par romântico. O filme em si é bom: inventaram uma trama que se conecta ao primeiro sem destruir a história original, os cenários são bacanas mas não chegam perto do fascínio que o primeiro causa (acho que passam pouco tempo em cenários urbanos justamente para evitar comparações), os objetos e veículos futuristas, igualmente, não provocam grande efeito mas também não são ridículos.

A coisa só vai por água abaixo mesmo após o aparecimento do Harrison Ford. E pior que não é culpa dele, que parece estar se divertindo mais aqui do que em Star Wars. Mas o roteiro simplesmente para de fazer qualquer sentido, com vários elementos novos sendo incluídos sem motivo algum, coincidências idiotas e comportamentos irracionais. Parece outro filme.

Fonte: Editora JBC

Tagged

Comédia psíquica e mafiosa ganha anime

O manga de comédia Hinamatsuri vai ganhar uma adaptação animada no ano que vem, informa a empresa de mídia Kadokawa. Os protagonistas são a dupla Nitta e Hina, o primeiro um promissor membro da máfia japonesa e a segunda uma alienígena ou viajante do tempo com poderes paranormais.

36415907333_ff59705369_o
© Kadokawa

Nitta é obrigado a hospedar Hina em seu apartamento, passando a sofrer todo tipo de bullying. Em troca, utiliza o fenômeno psíquico para progredir em sua carreira na Yakuza.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Inicialmente fico feliz com a novidade – Hinamatsuri é um dos mangás mais hilários que li em anos recentes, repleto de humor absurdo e constrangedor, e com um elenco de apoio que rivaliza com os personagens principais (alguns diriam que a Hitomi supera-os!).

Mas pensando melhor nas possibilidades, é melhor ter cautela. Entre os últimos animes de comédia adaptados de mangá que assisti, apenas Gekkan Shoujo Nozaki-kun conseguiu manter um nível de humor semelhante ao original. Os demais exageram nos sotaques irritantes, inventam efeitos sonoros desnecessários, erram no timing das piadas.

Himouto! Umaru-chan, por exemplo, foi decepcionante, tendo suavizado um pouco a mão pesada nos últimos episódios apenas. Dagashi Kashi, entretanto, ficou tão irritante que não fui além dos primeiros. Mas os mangás são ótimos.

Fonte: Anime News Network

Tagged ,

Novo anime de Godzilla ainda este ano

A Netflix vai distribuir mais uma criação da Polygon Pictures em novembro deste ano. O tema desta vez é o popular lagarto bípede gigante Godzilla, mas o cenário, ao invés do Japão, é um planeta Terra dominado por kaiju. Confira o trailer:


© Toho Company

Godzilla: Monster Planet deve ser o primeiro de uma trilogia sobre a humanidade tentando retomar o planeta das patas do rei dos monstros.

O serviço de streaming já exibe da mesma produtora o filme animado de ficção científica Blame! e as séries Knights of Sidonia e Ajin.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Peculiar escolha. Ainda não assisti Knights of Sidonia, mas consumi Blame! no mesmo final de semana em que foi lançado. O longa tem duas grandes falhas.

A primeira foi não estabelecer a presença da vilã mais cedo na história, e criar um suspense quanto aos seus planos – quando ela aparece nos instantes finais é mais confuso que impactante. Mas dá para entender, com a quantidade de informação que tentaram espremer nesse filme curtinho, que alguma coisa não encaixaria direito ou ficaria de fora. Pena que acaba com o clímax.

A segunda, e imperdoável, é a incapacidade de demonstrar as dimensões absurdamente gigantescas dos cenários de Blame!. O protagonista viaja por uma estrutura de metal tão enorme que ela simplesmente engole a Terra inteira e provavelmente alcança outros planetas – mas mesmo os locais individuais são ambientes fechados e enormes, capazes de abrigar metrópoles. Não passam em momento algum essa sensação de escala.

E logo esse povo vai fazer um filme sobre o Godzilla?

Fonte: Coming Soon

Tagged ,

Manga de Samurai 7 chega ao Brasil

A editora JBC colocou em seu catálogo o manga Samurai 7, uma adaptação do filme Os Sete Samurai, mas com elementos de ficção científica. Mizutaka Suhou é o mangaká responsável, porém o cineasta Akira Kurosawa, responsável pelo longa original, também é creditado como autor. O primeiro volume deve ser lançado em setembro e tem preço sugerido de R$ 16,90 por 208 páginas. A periodicidade é bimestral.

36739310736_554f674cd1_z
© JBC

Assim como no filme, um vilarejo está sendo oprimido por bandidos que ficam com quase toda a comida produzida no local. Desesperados, os moradores resolvem retaliar contratando sete mercenários para ajudá-los. No manga os inimigos utilizam máquinas gigantescas, e os heróis contra-atacam com “katana antitanques”.

Uma série animada baseada no mesmo conceito foi lançada durante os anos 00.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Esse anime Samurai 7 foi um dos raros que desisti de assistir até o fim à época. E olha que então os vídeos tinham qualidade baixa, problemas de compatibilidade de codecs e levavam horas para baixar – e eu persistia mesmo assim, na maioria dos casos.

Mas essa série tinha um protagonista tão fraco e inútil que sua mera presença simplesmente me desanimou de continuar. Pesquisando sobre a franquia agora descobri que ele melhora muito, e bem rápido, chegando a ser importante para a trama como oponente, e não como obstáculo para os demais heróis. Talvez valha o resgate.

O manga me interessou, e o preço está bom pela quantidade de páginas. Acredito que irei adquirir esse primeiro volume.

Título rejeitado: Manga adapta anime dos anos 00 que adapta filme dos anos 50.

Fonte: JBC

Tagged

Passeio turístico no fim do mundo

A empresa Kadokawa divulgou o primeiro clipe de Girls’ Last Tour, série animada sobre duas meninas explorando um mundo pos-apocalíptico. As sobreviventes do fim da civilização vagam de moto em busca de comida e peças mecânicas, resume a sinopse do mangá que inspira a adaptação. Lançamento em outubro, no Japão.


© Kadokawa

A história em quadrinhos tem roteiro e arte de Tsukumizu, e é a única obra creditada a esse pseudônimo. Ela começou a ser publicada em 2014, e agora está em seu quinto volume.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Parece que temos uma certa tendência, talvez mais frequente em anos recentes, de jogar crianças adoráveis em cenários grotescos e fascinantes. Além do contraste em si ser chamativo, a arte dos personagens tende a ser muito simples, logo, mais rápida e fácil de produzir, com a complexidade dedicada às paisagens e monstros ao seu redor.

Quem se encaixa nisso atualmente é Made in Abyss, e antes disso Alice & Zouroku, e Flip Flappers. Youjo Senki – Saga of Tanya the Evil quase atinge os parâmetros, mas a cara da protagonista é bem detalhada, enquanto seus colegas de exército recebem menos traços.

Espero que uma terceira característica se mantenha constante: todas elas têm roteiros muito bons. São uma esquisitice só, mas o desenvolvimento de personagem e as tramas são puro entretenimento.

Essa Girls’ Last Tour já demonstrou o cenário bizarro e caprichado e o visual típico. Vamos ver o que fazem com isso.

Fonte: Anime News Network

Tagged

Novo filme da franquia Macross

O anime Macross Delta vai ganhar um longa metragem animado, segundo o grupo de cantoras Walküre, que dublam as protagonistas da série. A produção integra as comemorações pelos 35 anos da franquia de robôs gigantes que também se transformam em jatos e enfrentam alienígenas.


© Bandai

Delta teve 26 episódios, todos exibidos no ano passado. A série original Super Dimensional Fortress Macross durou 36 episódios, exibidos no Japão entre 1982 e 1983. No ocidente ficou popular por ter sido um dos animes reeditados para criar a amalgama conhecida como Robotech.

Uma nova série animada está prevista para o ano que vem, mas não há detalhes ainda sobre a trama.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Imagino que vai ser um resumão da temporada, ao invés de conteúdo novo. Deixaram perguntas sem resposta, tramas mal explicadas e ganchos para todo lado, mas provavelmente não vão aproveitar nada disso no filme. Ou pior ainda, vai ser uma história inédita, porém fechada, acontecendo paralelamente ao anime – como One Piece faz em seus próprios longas.

Me diverti com a insanidade que foi Macross Delta, onde jatos ficavam se metralhando enquanto um grupo de idols de apresenta, às vezes interferindo com drones, às vezes apenas com música. Abraçaram a ideia e não foram tímidos nas coreografias e apresentações.

Mas o episódio final foi muito fraco, e sem resolução alguma – deu uma azedada na série toda. Sem falar que usaram muito pouco os robôs gigantes, acho que 90% do tempo ficaram nos jatos.

Fonte: Anime News Network

Tagged

Sucesso nos cinemas japoneses chega em mangá

A editora JBC está lançando no Brasil o mangá Your Name – Kimi no na wa, de Makoto Shinkai e Ranmaru Kotone. A história em quadrinhos é uma adaptação do longa metragem animado de mesmo nome, sobre dois jovens completamente desconhecidos que trocam de corpo. A produção teve a maior bilheteria no Japão em 2016 e é uma das maiores na história do país (cerca de R$ 700 milhões).

Parece uma típica comédia romântica com um toque fantástico
© JBC

O primeiro de três volumes chega às livrarias este mês, e a periodicidade será bimestral. São 180 páginas cada um, pelo preço sugerido de R$ 15,90.

Shinkai escreveu e dirigiu o filme também, além de ter feito um livro com a trama. Algumas de suas produções mais antigas estão disponíveis no Netflix.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

A história não poderia ser mais batida, mas fez um sucesso absurdo, passando por cima de várias produções ocidentais nos cinemas nipônicos.

O céu pintado ao fundo dá a impressão que trabalharam bastante nos cenários, o que deve ser um tema importante considerando o contraste entre os protagonistas (ele na cidade e ela no campo). Provavelmente quando trocam de corpo devem mostrar eles se impressionando com as paisagens novas.

Mas só isso não seguraria tanto público. Imagino que capricharam nos diálogos e incluíram uma boa dose de comédia e talvez até comédia romântica.

Parece bem diferente do material dele no Netflix, mais dramático e deprimente. Encontrou um filão de ouro, parece.

Fonte: Editora JBC

Tagged

Japão se inspira no Vaticano para anime

Estreia na próxima temporada de animes Vatican Miracle Examiner, sobre especialistas da igreja católica que viajam pelo mundo investigando a veracidade de milagres. Os protagonistas são cientistas do próprio Vaticano, e a trama é baseada em uma série de 15 livros com o mesmo título, escritos por Rin Fujiki. Os volumes são vendidos na categoria horror.

Quem deveria ser essa figura central, algum dos milagres?
© Kadokawa

Como é o padrão na maioria dos animes para TV ou streaming atualmente, Vatican Miracle Examiner terá 12 episódios.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

O tema é incomum o bastante para ter me chamado a atenção, no meio de tantos animes sobre lutas ou haréns a caminho a partir de julho. A temporada atual tem algumas coisas divertidas/engraçadas, mas nada que valha a pena guardar para assistir novamente no futuro.

E está faltando mais animes de ficção científica de boa qualidade. Não era o Japão que adorava hard sci-fi? Nessa temporada a única coisa mais ou menos na área é Clockwork Planet, mais comédia nonsense que propriamente ficção científica.

Mas como afirmei acima, muita coisa divertida, pelo menos.

Fonte: Anime News Network

Tagged