Rei Arthur vira um épico de fantasia

Guy Ritchie dirige uma nova versão do mito de Camelot em Rei Arthur: A Lenda da Espada, com estreia prevista para maio. Charlie Hunnam (Filhos da Anarquia) é o protagonista que retira a espada Excalibur da pedra e se torna herdeiro do trono inglês. Ao contrário de versões anteriores, essa aumenta os elementos de fantasia, incluindo superpoderes e monstros gigantes.


© Warner Bros

Também estão no elenco Jude Law, Eric Bana, Katie McGrath, Hermione Corfield e Djimon Hounsou. O roteiro lista quatro autores diferentes, incluindo o próprio Ritchie.

________________________________ ◊ Opinião ◊ ________________________________

Acho que a carreira do Guy Ritchie merecia ser estudada. De filmes policiais independentes a blockbusters de ação com lucros medianos, além de um curto casamento com aquela cantora famosa. Mas continuam colocando ele encarregado dessas produções caras, como uma espécie de Zack Snyder mais competente, mas menos lucrativo.

Vamos ao trailer, com seus monstros, superpoderes (sei que devem ser apenas magias ou itens mágicos, mas o visual não é à toa), exércitos gigantescos, destruição em massa. Me pegou de surpresa toda essa ação rocambolesca e um elenco quase desconhecido, principalmente o feminino – só listei um par de atrizes ali em cima porque suas fichas incluem várias produções populares.

Parece ser mais um daqueles casos: vamos tentar criar uma franquia lucrativa, mas aproveitando alguma coisa popular & em domínio público para economizar nos direitos e ter mais liberdade.

Na planilha faz sentido, mas na prática é questionável: economizar justamente no roteiro, inventando um monte de maluquices em cima de um produto clássico ao invés de comprar uma franquia moderna; e, ao dar seu próprio tom ao material, invariavelmente irritar os fãs e conhecedores do material.

Mas tentar justificar previamente o fiasco de um filme é quase impossível, não existe fórmula perfeita para o fracasso ou sucesso dessas monstruosidades. São complexos demais quando sendo feitos para correções serem possíveis antes do material acabar na mesa de edição.

Deve ser muito divertido trabalhar no meio, mas apenas se você não levar a sério.

Título rejeitado para o post: Senhor dos Anéis IV: Rei Arthur

Fonte: Deadline

Advertisements
Tagged

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s