Starship: Mutiny, de Mike Resnick

Sinopse: Wilson Cole é um militar no futuro distante, servindo na Marinha em uma guerra contra os alienígenas da Federação Teroni. Apesar de ter recebido várias medalhas por serviços prestados, continua sem sua própria nave, tendo finalmente chegado no ponto mais baixo de sua carreira, o Theodore Roosevelt. Com mais de cem anos na ativa, a nave espacial deveria ter sido aposentada há pelo menos metade disso, mas prossegue funcionando, servindo como uma espécie de “prisão” para oficiais insubordinados e tripulação incompetente ou criminosa. Como o terceiro em comando do Teddy R., Cole precisa encontrar um propósito para o resto de seu tempo de serviço, enquanto tenta colocar a nave em ordem – enfrentando o uso desenfreado de drogas, violência e falta de experiência prática de seus colegas.

Capa:
Starship Mutiny
© Pyr

Trecho:

“I’ll be honest, Mr. Cole – I am second to none in my admiration for your courage and your accomplishments. But I will not hesitate to deal with you in the harshest terms if you disobey an order or have a deleterious effect on the crew’s already lax discipline.”

O resto desta resenha contém spoilers!

Pontos altos: Starship: Mutiny é um bom exemplar de ficção científica militar, com detalhadas manobras de naves espaciais, negociações tensas via monitores enormes na ponte de comando, discussão de estratégias e planos, alienígenas malignos e desumanos. A trama não segue um propósito único, mas coloca a nave em várias situações diferentes, elaborando como o Wilson Cole consegue resolver o problema atual apesar de seus oficiais superiores e tripulação.

Pontos baixos: Apesar do título, o livro não é exatamente sobre a nave Theodore Roosevelt – e sim sobre o quão sensacional e espetacular o herói injustiçado Wilson Cole é. Ele é um estrategista tão genial que todas (todas mesmo) as suas interpretações sobre os movimentos do inimigo se mostram corretas, permitindo a ele sempre sair vitorioso, mesmo que às vezes precise trabalhar duro para tanto. Os demais personagens do livro mal possuem uma personalidade própria, de tão eclipsados pelo Cole. E o final também é bem implausível – condenado a morte porque a opinião pública é desfavorável demais? Apesar de toda a tecnologia disponível no futuro, ninguém consegue provar que as acusações são falsas? Querem mesmo que alguém acredite que toda a comunicação dentro de uma nave militar não fica gravada e arquivada? Acredito que os livros seguintes são melhores, já que é uma série de cinco volumes, e o autor normalmente é bem melhor do que isso.

Pontuação final: 597. Divertido, mas sem consistência.

Características:
Starship: Mutiny
Mike Resnick
Pyr
290 páginas
US$ 8,69 (Amazon)

Tagged

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s